segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Aprendo, mas aos poucos

Depois de muitos anos colocando o trabalho como uma das coisas mais importantes da minha vida eu comecei a aprender que ele é só UMA parte da minha vida. No ano passado eu estava com dúvidas com relação aos meus rumos profissionais e aceitei um trabalho que, como vocês sabem, deu errado. Da minha parte. Eu poderia ter continuado lá, queriam que eu continuasse. Mas eu estava muito triste. Muito insatisfeita. Uma amiga me disse que eu estava me tornando uma outra pessoa: uma pessoa amarga. E eu não sou amarga, sabem. Sou mal-humoradinha, mas não amarga. Saí daquela escola. Estou desempregada. Sem rumo profissional mesmo. Não sei se quero continuar na área em que atuo - não porque eu não goste dessa área, eu amo; mas porque é uma área muito instável. Fiz uma viagem de fim de ano maravilhosa. Família do meu marido no Rio, amigos na Bahia. Quinze dias de delícias. Voltei e fiquei doente. Porque voltei e toda a realidade começou a pesar. E agora, o que faço, como posso estar me sentindo assim, será que estou com início de depressão, só quero chorar...

Aí eu parei pra pensar nessa viagem. Na minha vida como um todo. Eu tenho um relacionamento extremamente saudável com alguém que amo infinitamente. Tenho amigos maravilhosos. Mesmo. Tenho uma família doida, doida como qualquer outra família - mas que é MINHA família, que eu amo incondicionalmente. Pude ter 15 dias de férias onde desses 15, 9 eu passei comendo moqueca, acarajé, bebendo cerveja gelada com amigos incríveis. Amo minha casa, amo meus gatos, amo ficar em casa com meu marido e meus gatos.

Viram quanto amor?

ENTÃO COMO EU POSSO ACHAR QUE TUDO ESTÁ RUIM? Falem pra mim!

Eu sei: é porque eu sempre dei uma importância exagerada ao trabalho. Tipo, se estou infeliz no trabalho, todo o resto está ruim. Agi assim o segundo semestre do ano passado todo. Mas era só uma parte que estava ruim. E era uma parte que tinha sido escolha minha.

Minha maior resolução para esse ano é dar ao trabalho sua devida importância. Colocar o trabalho em seu devido lugar. Sem exageros, nem pra mais, nem pra menos. Sim, é importante se sentir realizada profissionalmente. Mas isso não é a única coisa da vida. Eu não quero ser workaholic. Eu renuncio isso, agora! Quero equilíbrio.

A vida não está ruim. UMA parte dela está difícil - e é justamente a parte que mais posso mudar, porque não sou presa a uma carreira, ninguém é. Todo o resto - o que realmente importa - vai muito bem, obrigada!

5 comentários:

Letras Saltitando disse...

Me vi nesse post!
Recentemente vim de uma viagem na Bahia, e quando voltei, parecia que estava tudo errado.
Nunca é tarde pra recomeçar, e fazer mudanças.

Ana Karina disse...

Nossa... me identifiquei demais! Também fiz viagens maravilhosas pra Bahia e Paraná nessas férias, família linda e unida, mas parece que chegar em casa e ver que a vida profissional não está bem tira todo o brilho do resto...
Mas de qualquer forma, o começo de ano é bom pra refletir, mudar o que precisa ser mudado e sair à luta com um novo fôlego!
Sorte, bjs!

Inaie disse...

Menina, a parte mais complicada vc ja fez. Percebeu onde esta o furo. Agora e so consertar.

Bjim e boa sorte

Mentedelua disse...

É só uma fase... O mundo é cheio de oportunidades. Sei que o mais difícil é encontrá-las... Repetimos o mesmo caminho caminho todos os dias.
Volte a sorrir que as coisas ficam mais fáceis. O mais importante da vida você já tem... Felicidades para você neste ano.

Ronisia disse...

Amei o post... realmente, trabalho é só uma parte da vida, e não é a mais importante. A mais importante, na minha opinião é o amor, e isso você tem...

Beijos mil e muitas saudades!!!
Rô.