terça-feira, 28 de abril de 2015

Ocitocina e o aconchego

Usei esse TED talk em umas duas aulas, e cada vez que assisto a ele mais uma vez, fico mais encantada com o funcionamento do nosso cérebro e do nosso corpo.
Basicamente ela fala que o estresse é prejudicial só se você acreditar que ele é prejudicial, e mesmo que isso pareça balela de auto-ajuda, há uma pesquisa científica que prova isso.
Mas a parte mais fascinante é como a ocitocina é fundamental para lidarmos com o stress. A ocitocina é um neuro-hormônio produzido pela glândula pituitária, no hipotálamo, e é conhecida como o "hormônio do amor", porque ela é liberada quando abraçamos alguém, por exemplo.
No entanto, a ocitocina é também um hormônio liberado em situações de stress. Ela faz você querer contato físico. Sabe quando você está loko loko loko do koo, a vida está ruim, e você procura pessoas que você ama pra desabafar, procura um abraço, um colinho, um ombro amigo? Isso é um mecanismo do corpo, é a ocitocina agindo pra que você reaja de alguma maneira e se acalme.
O coração tem receptores para esse neuro-hormônio, então quando a gente está lá, lokona com rímel borrado escorregando pela parede e com o coração aceleradão por causa do stress, a ocitocina vai lá, fala pro coração que tudo vai ficar bem, e ajuda células a se regenerarem e se curarem de qualquer dano que o stress possa ter causado. A ocitocina é responsável por nos tornar empáticos, e preocupados com os outros.
Então podemos dizer que um abraço naquela hora de tristeza ou de stress realmente acalma o coração. Cientificamente acalma o coração. O chamego num momento difícil, o ombro amigo silencioso e presente, o colo naquela hora de desespero - tudo o que procuramos nesses momentos, e que achávamos que era algo social, não é somente. É o nosso cérebro querendo nos ajudar, é a ocitocina querendo ir acalmar o coração.
Se isso não é bonito pra caralho, não sei mais o que pode ser.

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Paga baratinho, paga!

É cada uma que eu vejo. Professor começa a dar aula sem fazer teste de nível nenhum. E aí, escolhe material como? Escolhe material errado, né. E isso por que? Porque pessoal quer pagar 20 reais a hora pro professor particular ir até a empresa e dar aulas personalizadas.

Alunos compram material, o mesmo é inadequado ao nível, as aulas começam e não rendem nada. Param as aulas, me procuram pois fui bem indicada. E eu não consigo esconder a cara de horror ao saber que não houve nenhuma nivelação.

Resultado: estão usando material para Upper Intermediate quase Advanced quando deviam estar usando para Intermediate.

Isso mesmo, gente, continuem contratando aventureiros, native speakers sem nenhum tipo de treinamento, gente que cobra super barato. Continuem assim, que aí as aulas vão pro vinagre e eu ganho alunos novos.

quarta-feira, 22 de abril de 2015

Being Camila

Uma aluna ia passar um ano no Canadá e queria se acostumar um pouco com o sotaque de lá. Eu expliquei que não havia necessidade, pois sotaque canadense está longe de ser o escocês, irlandês ou - valha-me - australiano (no meu ranking de sotaques o australiano é o último. Não perguntem). Ela insistiu, disse que queria se sentir mais segura, e lá fui eu procurar coisas além de Alanis Morissette e Mandy Patinkin. Encontrei um seriado que se passa em Toronto chamado "Being Erica".

A premissa do seriado é simples: mulher nos seus trinta e pouquinhos, toda fodida, demitida, pé na bunda, família querendo que ela case; conhece um terapeuta que diz que pode ajudá-la. É isso, mas não só isso. O terapeuta é meio estranho (pleonasmo?) e oferece a ela uma oportunidade única: Erica pode listar todos os momentos-chave de sua vida, momentos em que ela fez merdinha, e ela poderá voltar no tempo e mudar aquela situação. Ela só não pode alterar a morte.

E lá vai Erica listar todos os seus grandes arrependimentos, desde os tempos de escola, até os mais recentes. E os episódios vão rolando com um retorno ao passado por vez, onde ela tem a chance de agir diferente e, é claro, enxergar as situações de maneira diferente também. É um sci-fi meio chick flick meio sem noção mas é um bom divertimento.

Passei todos os episódios da primeira temporada refletindo sobre meu passado. Olha, se tem uma coisa que eu realmente faço é refletir sobre o passado, e não é porque não superei algumas coisas, mas porque eu curto mesmo relembrar. Minha cabeça é uma timeline, eu lembro de datas, roupas, situações. Se eu pudesse voltar no tempo, talvez eu mudasse algumas pequenas situações na adolescência porque eu era tão esquista e tão tonta que me irrito só de lembrar. Mas tirando essas situações bobas em que eu daria um fora em quem me tratasse mal, eu não mudaria mais nada.

Minha vida está longe de ser perfeita, mas quem tem uma vida perfeita? Mesmo quem tem uma vida que consideraríamos perfeita acha motivos para achar coisas ruins. Somos todos imperfeitos e assim são nossas vidas. E mesmo com toda essa imperfeição, eu não mudaria nada. Qualquer alteração mínima certamente alteraria tudo, e eu não estaria aqui, hoje, escrevendo esse post.

Talvez eu não desistisse da faculdade, mas e se eu continuasse, e fizesse amigos, e não conhecesse os amigos que tenho hoje? E se eu fizesse aquele intercâmbio, e morasse pra sempre no exterior, e não conhecesse meu marido? E por aí vai. O bullying que sofri, o cyberbullying que sofri, os abandonos, as vitórias, os acertos, os tropeços, os muitos erros me fizeram ser exatamente quem eu sou e me colocaram exatamente onde estou.

Logo mais vou fazer sopa, meu marido vai me ajudar, e vamos assistir "Game of Thrones". Hoje paguei minhas contas todas e ainda sobraram uns caraminguás. Falei de Martin Scorcese pra minha aluna de 14 anos e ela ficou super interessada em assistir alguns filmes dele. Pra uma quarta-feira chuvosa, pós feriado, acho que tá muito bom. Eu podia estar rica, numa ilha paradisíaca, tomando piña colada? Podia. Mas queria estar numa ilha incrível sendo o meu eu de agora, com as pessoas que me cercam agora.

Tá tudo bem, mas não tá perfeito. Tá tudo mais ou menos legal. E pode melhorar. Eu gosto de quem eu sou hoje em dia.




segunda-feira, 13 de abril de 2015

Resmungos

- Não aguento mais artigos de princesas da Disney fazendo isso ou aquilo. "Veja o artista que fez as princesas da Disney fazerem xyz". Aí é princesa pulando corda, princesa cagando, princesa usando moletom, princesa dançando o tchan (se bem que se fizerem alguma princesa dançar o tchan eu vou achar divertido).

- Não aceito mulheres com mais de 20 anos dizendo que são princesas. Parem, vocês são adultas! Coisa chata! "Ah, mas o espírito de criança blablabla". Aham, espírito de criança, ok, você curte brincar, ok. Mas tem que postar nas redes sociais o tempo todo esse lance de ser princesa? TEM QUE? Não, não tem que.

- Foto de gente nessas micaretas de protestos vestidos de verde e amarelo achando que estão fazendo A GRANDE MUDANÇA no país. Aí postam hashtag orgulho, hashtag chega de corrupção, hashtag viva o coronel metralha. HASHTAG BURRICE pra você, beijos.

- Cara, e a galera fazendo FILA para tirar foto com ex torturador da época da ditadura? As pessoas estão comendo merda e bebendo chorume? O que está acontecendo com esse mundo?

- E a mania de escrever gratidão pra tudo? Não dá mais pra dizer "muito obrigada", "obrigada", "valeu", "flw vlws", todas essas formas perfeitamente aceitáveis de se agradecer por algo? Tem que escrever a caceta da gratidão? Não faz sentido! Pessoa te deu uma informação, você responde "gratidão". Gratidão é só o substantivo, é um sentimento. A pessoa te dá um pé na bunda e você em vez de falar "que ódio, vai se foder" fala "raiva, angústia, depressão"? Você fica feliz com alguma coisa e em vez de dizer "estou muito feliz!" fala "felicidade, júbilo, regozijo"? Não, porque você não é o Arnaldo Antunes compondo! Então fale "muito obrigada" mesmo.

Por hoje é só.

domingo, 12 de abril de 2015

Hoje eu vou tomar um porre, não me socorre, que eu tô feliz!

Fazia muito tempo que eu não tomava um porre, um porre daqueles de gente grande mesmo. Eu tenho uma tolerância alta com destilados, já cheguei a beber uma garrafa de cachaça com mais dois amigos e não fiquei bêbada. Mas com fermentados a coisa não fica muito boa. Vinho é a minha bebida favorita do mundo todo, e quando eu fico bêbada de vinho - acontece pouquíssimo, as acontece - eu fico meio possuída pelo ritmo Ragatanga.

A Ragatanga me faz falar MUITO e, claro, muita merda. Vou tirando sarro das pessoas, faço dancinhas, conto histórias - eu geralmente não me lembro, mas os amigos me contam depois. O problema da Ragatanga é que eu falo merda por horas, e aí começo a passar mal. E me dá um blackout tão sério que eu acordo no dia seguinte sem nem saber onde estou ou como cheguei ali, Berenice segura, nós vamos bater, nada mais me lembro.

Ontem foi a noite do meu grande porre anual 2015. Tenho um grupo de amigos que é minha segunda família, e eles estiveram ao meu lado, segurando minha mão, desde a descoberta do câncer, cirurgia, o susto do ano passado, o alívio dessa semana. O apoio que recebi deles foi imenso: me acompanharam em exames, foram buscar resultados comigo, foram me buscar no hospital, me ouviram chorar, me ouviram lamentar, me mandavam mensagens, me ligavam. Tive todo o apoio da minha mãe, marido, e dos meus amigos.

Pois ontem foi com eles que eu comemorei que não tinha horcrux do Voldemort no meu corpo. Faltaram 3 pessoas essenciais nessa comemoração, mas sei que poderemos comemorar todos de novo, outras vitórias. Eu fiz risoto ao pesto, um amigo que também cozinha bem fez um lombinho assado, e ficamos lá, comendo, bebendo e conversando. Mas aí o vinho bateu. Eu acho que bateu forte daquele jeito porque a emoção era muito grande. Ou talvez porque esteja meio fraca de tanto tomar antibióticos pra sinusite. Ou talvez tenha sido tudo.

Eu fiz brinde e saí abraçando a todos. Chorei de soluçar abraçada a um amigo. Agradeci a presença deles. Dancei Macarena. Derrubei uma amiga no chão. Passei mal e fui socorrida. Acordei na cama de uma amiga sem nem saber como tinha chegado ali, e meu marido teve que me contar o que tinha acontecido. Saí de lá descalça, 6 da manhã. Que noite gloriosa!

Se tem uma coisa da qual eu orgulho é das amizades que eu fiz depois de adulta. Esse grupo de amigos começou pelo meu outro blog, fui conhecendo as pessoas, e aí todo mundo foi se gostando, mais pessoas chegaram, e estamos aí, não mais tão jovens, mas nos divertindo juntos até hoje. É uma enorme benção ter ao seu lado pessoas que te deixam 100% confortável, com quem você pode falar o que for que fica tudo bem.

Se chorei ou se sorri, o importante é que emoções eu vivi. E bebi.

Obrigada, meus amigos. Vocês são a riqueza da minha vida!




quinta-feira, 9 de abril de 2015

Café TPM




Fui à pet shop e tinha esse café aí, o PMS. PMS é tensão pré-menstrual em inglês.

O mocinho da loja ficou olhando pra minha cara com curiosidade pois eu resolvi tirar uma foto, e eis que eu achei que era o momento de ser didática e ter o seguinte monólogo:

- Tirei foto porque PMS quer dizer tensão pré-menstrual em inglês. Tirei a foto porque achei engraçado esse nome, imagine, um café tensão pré-menstrual, hahahaha.

- ...

Não é apropriadíssimo ter uma conversa assim com o atendente da pet shop? Ele nem ficou desconfortável, só parecia que ia enfiar a cabeça num buraco no chão.

quarta-feira, 8 de abril de 2015

XÔ VOLDEMORT

A antecipação de abrir um resultado de punção + biópsia: as mãos tremem, as pernas ficam meio bambas, o tempo meio que para.
E a felicidade indescritível de ver que o resultado é bom, é excelente, é incrível.
Sobraram uns tecidinhos de tireoide que a gente tira na iodoterapia.
MAS NÃO TEM HORCRUX NESSE CORPO NÃO, GENTE!!!
Não sei se eu choro, se eu dou risada, se eu pulo, se eu danço. Só sei que saúde é o que interessa, o resto não tem pressa!
Eu participo de um grupo de professores e coordenadores de inglês aqui no Facebook. Fico impressionada como a minha raça às vezes é insuportável, principalmente porque muita gente se acha e ainda por cima fica corrigindo o inglês alheio na maior arrogância, sem nem perceber que também comete erros. Tem dias que algumas discussões lá parecem luta livre.

Eis que ontem um maluco começou a criticar quem, nas palavras dele, se sujeita a dar aulas em algumas redes grandes. Na maior cara dura mesmo o cara falava "não sei como vocês se prestam a esse papel" e coisas assim.

Eu não dou aulas em redes grandes de franquias porque tenho minha empresa e porque o esquema das franqueadas geralmente vai totalmente contra os meus princípios. E eu posso nem ter tantos princípios assim na vida, mas na minha área eu tenho muitos. Não quero me sujeitar a um esquema de ensino que não é de ensino, só de lucro. Não quero dar aulas em escola que defende que turmas devem ter níveis misturados, não quero dar aulas dentro de uma caixinha.

Mas se acontecer algo catastrófico no Brasil, na economia, e o que me restar for dar aulas em alguma porqueira dessas da vida, eu irei. Questão de sobrevivência. Cada um sabe onde seu calo aperta, e quem prefere trabalhar em franqueadas, pelo registro e etcs, deve mesmo ir atrás do que quer.

Aí naquela discussão com o cara arrogante que escrevia errado e ainda assim soltava pérolas do tipo "você fala inglês? Porque quem fala não se sujeita a trabalhar nessas escolas", todo mundo respondeu pra ele, inclusive eu - eu posso ser chata com erros, tenho meus princípios, mas é MUITO feio detonar colegas de trabalho desse jeito. Eis que tal qual Dado da primeira temporada de Malhação, o rapaz começa a escrever citações de filósofos e educadores.

Olha, coleguinha, na minha terra só tenta encerrar discussão com citação quem não consegue argumentar. Quer me ver revirar os olhos eternamente é chegar com uma frase pronta achando que está sendo inteligente ou que desse jeito encerrará a discussão. Vê se eu vou parar de argumentar só porque um palhaço falou "Aristoteles disse ..." Com todo respeito, dane-se Aristóteles!

Prefiro ter um filho velha que um filho citação.

terça-feira, 7 de abril de 2015

Apenas muito passada que o último post do ano passado, em que eu desabafei sobre o assalto que sofri, teve quase 500 visualizações. Não sei nem de onde vieram, só sei que a gente gosssssssta de uma desgraça, né?!

Hahaha
É um pouco cansativa a vida de educadora. Muita gente me diz que sou educadora na alma mesmo, que é algo tão dentro de mim, arraigado, que já é parte de mim. Eu concordo. Não sei não ser professora. Se eu for te ensinar a fazer alguma coisa, pode ter certeza que eu vou pensar em como fazer isso didaticamente, ainda que eu esteja te ensinando a cozinhar um ovo.

E essa vida é cansativa porque eu enxergo o mundo através dos olhos de uma educadora, e não de uma mulher de negócios. Eu sou as duas coisas, e tento ser as duas coisas da melhor maneira possível, mas eu sei que sou mais professora. Não adianta negar.

Quando você é uma pessoa de negócios você vai levar contratos cartesianamente, e quem não cumprir é errado. E é isso mesmo, não cumpriu, é errado. Mas eu não consigo chegar pra pessoa batendo o meu pau imaginário na mesa e falando "está no contrato, se não quiser cumprir você será acionado judicialmente". Não consigo fazer isso, mas devia ter os colhões de fazer. Porque no fim, as pessoas são abusadas mesmo. Tudo pensam em "jeitinho", em "pena", em "ah, mas eu não sabia", quando a coisa é realmente simples: leia o contrato antes de assinar.

Estou com um perrengão de trabalho por conta de uma mãe que mimou demais a filha, e agora a filha quer parar as aulas, e a mãe não quer pagar a multa de contrato - que é apenas pagar 50% da mensalidade do mês, nada de mais. A mulher já reclamou, já esperneou, e eu lá argumentando que está no contrato, explicando a cláusula, explicando mo motivo da multa - ou seja, sendo professora. Ela está há algumas horas sem reclamar, mas sei que isso me dará um trabalho enorme ainda.

Passei o dia inteiro nesse duelo entre a mulher de negócios (que tem que receber sua multa) e a professora (que entende que às vezes o aluno não gosta do professor e ponto final). É realmente cansativa a vida de educadora.