sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Mimimimimi

Eu fico resfriada mensalmente. Minha pele anda feia, apesar d'eu usar direitinho os 3 passos da Clinique há quase um mês e de usar um produto da Avène que promete pele lisa (porque contém ácido glicólico, blablabla). Tenho mais fios brancos na cabeça do que eu gostaria. Outro dia, embaixo do meu queixo apareceu uma bolinha dolorida. Eu mexia o pescoço e aquilo doía. Passou. Essa semana uma bolinha igual apareceu embaixo de uma axila. Também passou. Eu vivo à base de Benegripe e Dorflex. Acordar é um suplício e ir dormir também. Passo o dia com sono mas, quando deito, demoro um tempão pra pegar no sono.

Eu não tinha me dado conta da gravidade da coisa até quarta-feira. Antesdontem. Quando, num semi surto, eu quase desisti da apresentação de final de ano. É, essa mesma sobre a qual eu escrevi no texto anterior. Tudo porque tinha que ir à costureira mandar fazer o vestido gema e não sabia nem onde havia costureira aqui perto e nem tinha tempo de descobrir. Quase comecei a chorar, bem ridícula mesmo, falando "não quero maaaaaaais". Ainda bem que poupei as paredes de casa e meus gatos de presenciarem esse vexame. Não teria cabimento desistir agora. Eu amo dançar, eu estou me esfalfelando em ensaios, eu adoro minhas aulas. Como assim, desistir? Foi aí que eu vi que a coisa tava grave: pra eu desistir de algo que eu amo por causa de cansaço e stress é porque mais um pouco eu vou sair correndo pelada na rua dizendo que Jesus voltou.

A sorte foi que minha mãe, que está mais ansiosa que eu para a minha "grande estréia" (pausa para risos abafados), saiu à caça de costureira e achou. A outra sorte foi um amigo que ficou meia hora no telefone falando um monte de bobagens pra eu rir. Aí o surto passou. Ao menos até ontem, quando eu quase comecei a chorar de novo, por causa de cansaço. Não que eu esteja mais sobrecarregada de trabalho que antes. Eu já trabalhei tanto ou mais do que trabalho hoje em dia. E, convenhamos, não ter chefe, ser independente e dar aulas do jeito que eu bem entender é um grande contribuidor para o NÃO stress. Acontece que esse ano foi foda. Quem lê esse blog faz um tempo sabe. E aí, quando eu devia ter descansado, viajado, sumido... Eu tive que engolir em seco o que estava sentindo e sair atrás de novos alunos. E apertei o botão do trabalho. Trabalha, trabalha, trabalha, nada de sentir muito, nada de chorar, nada de esmoirecer.

Meu corpo está mandando a conta dessa decisão. Eu já tentei entrar em acordo dizendo que eu fiz o que deveria ter feito e que não teria mesmo como ter relaxado naquela época. Não adianta, meu corpo continua cobrando. Eu gostaria de fechar os olhos e, ao aabri-los, já ser dia 11 de dezembro. Dia da apresentação. Isso significaria só mais uma semana e pouco de trabalho antes da minha semana de férias.

2008, por favor, acabe logo.

8 comentários:

Alê disse...

Toma floral de Bach, nega. Ajuda que é uma beleza!

Kathy disse...

Tá se alimentando direito?
Dá uma olhadinha aqui ó:

http://correcotia.com/bocafeliz/index.html

fl disse...

sei cumé, sexta 21h30 e ainda tô no trabalho - a semana toda assim...mas o fim de ano taí mesmo (aliás, tem um feriado providencial semana que vem!!)

Amanda disse...

calma Chu, esse nao era o seu 2008b? sua apresentação ta chegando e se alimente direitinho que essa gripe some de vez :)

Marcelo disse...

Camis, miguxa querida de mi corazónzito: o ano tá acabando. E tem muita coisa boa ainda para rolar. Não desista do cerumano. E sé precisar, já sabe. Aqui é delivery e 24hs.

Marcelo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
bjomeliga disse...

Nhai teacher, vc não imagina como fico triste de não ser mais sua aluninha. Também quero que esse ano maledito acabe logo, quem sabe no ano que vem que eu tenha tempo para as nossas aulas com fofocas.

Arrasa no baile. \o/

Karim disse...

Oi Camis querida....
Sabe o que eu acho? Que 2008 foi um ano horrível pra um monte de gente que conheço. Nunca vi tanta gente dizendo: não vejo a hora de acabar... Inclusive pra mim. Mas férias é tudo e sempre dá uma renovada na alma ir viajar. Um beijo saudoso.