quarta-feira, 30 de março de 2011

É grave, Doutor?

- Oi, o que a traz aqui?
- Ai, doutor, estou com um problema sério. E esse problema tem me atrapalhado muito.
- Vamos lá, quais são os sintomas? Está sentindo dores? Onde?
- Doutor, eu nunca consigo começar uma tarefa logo. Eu sempre termino, mas nunca começo com antecedência. Eu enrolo o máximo que eu puder, até o prazo estar quase me sufocando. Aí já viu: noites trabalhando, acúmulo de trabalho, sensação de não estar fazendo nada direito. É grave, Doutor?
- Bem. Ao que me parece, você sofre de Procrastinite Crônica. É um problema bem comum atualmente e se manifesta com mais força na época de monografias, TCCs e entrega de trabalhos de tradução.
- Na mosca, Doutor! Eu decidi vir aqui porque na semana passada me vi procrastinando ao máximo uma versão que tinha que entregar. Tem cura?
- Não. Há maneiras de controlar essa doença. Vou te passar um remédio e você, provavelmente, terá que tomá-lo o resto da vida, que é pra evitar que a Procrastinite volte. O remédio é Nonprocrastinom. Um comprimido, uma vez ao dia. Você já sentirá os efeitos no segundo dia.
- Maravilha! Não sabia que já existia remédio pra isso!
- Ah, depois do Viagra nada mais me surpreende. Você ficaria chocada com os remédios que existem hoje em dia...
- É mesmo? E já tem algum pra ajudar a ter disciplina? Disciplinax, algo assim?
- A Medicina é avançada, minha filha, mas não opera milagres. Pra disciplina eu recomendo vergonha na cara mesmo.
- Hehehe. Obrigada Doutor, até mais.

Sonho com o dia em que o Nonprocrastinom existirá de verdade.

3 comentários:

Mel disse...

Putz... Me vi!
Falaí quando lançarem o remédio! :)

Kel disse...

Me avisa imediatamente!!! Faço um estoque!

Patricia Scarpin disse...

Vou precisar comprar um container de Nonprocrastinom. :)

Amei o texto, sweetie!
xx