domingo, 13 de maio de 2007

O Jason que dá com a cara na porta

Dois anos de "relacionamento" com o çerumano. A quem chamarei, carinhosamente, de Jadelson. As aspas devem-se ao fato de nosso relacionamento oficial ter durado pouco, mas o extra-oficial durou e foi intenso, já que trabalhávamos juntos e não nos desgrudávamos. Isso tudo também é conhecido como punhetação mental, emocional e física. Noooooooooot nice. Aí um dia, depois de reclamar, chorar, sofrer, brigar, cobrar e esperar, eu decidi dar um basta a esse desfile de verbos que de nada servem - e me afastei, ainda quando compartilhávamos do mesmo ambiente de trabalho. Jadelson nunca entendeu - "COMASSIM você, gatinha manhosa, desiste de minha gostosura depois de dois anos de quase servidão?". Mas desisti, né, Jadelson. E aí aconteceu o que SEMPRE acontece em casos assim: ele resolveu correr atrás de mim. Apaixonou-se. Mentira, era muito mais um caso de ego ferido do que de sentimentos belos e puros, mas o fato é que o çerumano resolveu que ia MESMO tentar algo comigo.

O engraçado é que ele tentava mas nunca era de uma maneira legal. Era sempre um "ô, e aí, tá de boa? Vamos pra baladinha?". E é aqui que entra a parte bizarra: eu fui completamente apaixonada por alguém que fala assim. De boa, truta, churras, minha mina curtindo um laser (sic) sussa, trampo. Vocês me imaginam com alguém que me chamaria de "minha mina"? "Tô de boa hoje, vamos ficar sussa aqui no cafofo". Eu acho que não condiz, não combina, a não ser que o cara esteja zoando. Não é o caso.

Um dia ele abriu o jogo e disse que gostava de mim e tinha descoberto isso só depois daquele tempo. Abriu o jogo por MSN - 100% atitude, manow. E eu disse que não rolava mais, não rolaria, podíamos manter contato como amigos, estamos diferentes, não temos mais nada a ver. E ele insistindo que "chegou a nossa hora, você vai mesmo desperdiçar essa chance?". Eu estava tão em outra vida que nem mandei-o tomar no cu. Depois de um tempo ele começou a namorar - e me ligou avisando.

Quase dois anos depois desse telefonema informativo a respeito do estado civil de Jadelson, mais precisamente há 3 semanas, quando eu estava voltando de Ilha Grande, recebo um SMS: "e aí garotinha, o que tem feito?". Meu pensamento: ele terminou o namoro. No dia seguinte ele me ligou e deixou recado. Meu pensamento: ele terminou o namoro. No terceiro dia ele me ligou e eu atendi. Meu pensamento se confirmou: ele havia terminado o namoro. Quis me chamar prum "rolê" com o pessoal do "trampo", um pessoal que curte muito uma "baladinha". "Abandonou os velhos amigos, né?! Desde que virou professora tá toda se achando". Fui educadíssima, fina, orgulho de mamãe. Recusei a "baladinha show" e mandei beijos. "Tá namorando, é?". Não, não estou, não quero, não pretendo, beijotchau.

Eu acho que pra bom entendedor, meia palavra basta. Eu acho, ele não. Ontem recebo uma mensagem de Jadelson: "e aeeeeeew, qual eh o rolezinho do fds?". Acho triste que eu seja lembrada tão constantemente do quanto meu gosto já foi bizarro, sabem. A mensagem no sábado, enviada quando ele provavelmente estava sozinho em casa curtindo uma carência e uma punheta, eu ignorei, lógico. Ele não escreveu mais até agora. Great success.

10 comentários:

Miru disse...

O que é a evolução, não é mesmo, minha gente?

Uma benção.

Rainman Raymond disse...

passado, passado que a todos condena...

+_+

jatosdesangue disse...

essa parte é genial: "Acho triste que eu seja lembrada tão constantemente do quanto meu gosto já foi bizarro, sabem."

banhos de alecrim, guiné, arruda e sal grosso ajudam nessas horas.

Klein disse...

"E é aqui que entra a parte bizarra: eu fui completamente apaixonada por alguém que fala assim." Você já foi até em micareta, não existe nada de surpreendente nestas suas atitudes! =P

Chu disse...

Klein, seu injusto! Tendo visto as fotos do mancebo você poderia ter falado muito mal DELE. Mas não, né. Insiste em jogar em minha alva face que eu fui em uma micareta. Sò que na Bahia é SHOW, e não micareta. E eu fui ao show do SKANK. O único problema é que era show com abadá, mas enfim, eu fui por amor. E eu gosto do Skank.

Alê disse...

"De boa"? Ai, não dá, hein!

Robs disse...

Nunca entendi o que "de boa" quer dizer exatamente... tranquilo? na boa? Da pra captar a ideia, mas acho a expressao tao feia.

Acho que a sua atitude atual pagou os seus pecados do passado, viu?! Arrasou no despacho da oferenda!

Dani disse...

Jadelson é um nome que condiz.

1worklover disse...

Bom, ele é passado agora, não?

Srta.T disse...

"Acho triste que eu seja lembrada tão constantemente do quanto meu gosto já foi bizarro, sabem."

AHAHAHAHAHAHAHA CARALHO, sei exatamente do que vc tá falando! Tenho um personal-encosto-Tabajara no trabalho também. E toda vez que ouso fazer um comentário desabonador sobre algum bofe, soa o gongo: "Vc já pegou o fulano!"

Eu procuro pensar que tem uma cobertura linda, com vista pro jardim do Éden, me esperando na outra vida.