domingo, 25 de fevereiro de 2007

Erguei as mãos e dai glória a De-eus!

Voltando de ônibus lotado depois de um passeio na Paulista hoje, tive que ficar de pé (ooh, really? De pé em ônibus em São Paulo? Mas isso NUNCA acontece, o sistema público de transporte nessa cidade é TÃO supimpa) na frente de um banco com três crianças. Provavelmente irmãos, os três muito brancos de cabelos escuros e olhos brilhantes, que olhavam todos que passavam e davam risadinhas cúmplices. Depois de um tempo acabei me perdendo em pensamentos enquanto ouvia minhas músicas e só voltei à Terra porque ouvi uma das menininhas dizendo "mããããe, o nariz da Carol tá saindo sangue!" - e ao mesmo tempo que chamava pra mãe, que estava em outro banco meio longe, a menina apontava pra irmã e olhava pra mim, com cara de "iih, fodeu", ainda que crianças geralmente não pensem que algo fodeu. A mãe ouviu e queria entregar lenços de papel pra filha, mas ela estava do outro lado e o corredor do busão estava apinhado de gente. Eu peguei o lenço de papel, entreguei pra Carol do nariz sangrante e pedi que ela colocasse a cabeça pra trás. A mãe me agradeceu e eu fiquei ali ao lado das crianças, de olho pra ver se a menina não piorava.

Carol tinha bicho carpinteiro no corpo e não parava de se mexer. Os irmãos não sabiam se riam ou se pediam para ela sossegar, e eu, como única adulta que estava ali prestando atenção neles, falei que se ela não conseguisse ficar quietinha o nariz dela ia continuar com sangue. E Carol aquietou a bacurinha. Dali a pouco a irmã de Carol me fala "moça, minha mãe tá te chamando". Olhei pra trás e a mãe, sorrindo, esticou o braço pra me entregar um DVD: "obrigada, moça". Peguei o dito e nele estava escrito "Rev. David Soares - culto gravado - domingo 25/02/2007". Por milésimos de segundo eu pensei "como assim, culto gravado, minha gente?". Mas em seguida só sorri e agradeci à moça o presente, ainda que levemente de grego.

Ou seja, eu ganhei um DVD com culto gravado, na volta de um passeio pela Paulista. Não sei a moça quis me agradecer de fato por eu ter ficado de olho na filha dela ou se ela achou que tenho o diabo no corpo e preciso de salvação. Seja uma coisa ou outra, achei fofa a atitude dela. Pra ela esse culto deve ter algum significado, e eu acho bacana quando as pessoas presenteiam com algo significativo pra elas. Mas o que eu achei bacana mesmo foi que a moça não tentou pregar, não tentou nenhum tipo de ladainha religiosa, não encheu meu saco: apenas agradeceu e me entregou. Em outras épocas eu acharia isso bem engraçado e faria algum tipo de piada a respeito do DVD do Reverendo David. Porque eu sou bem maldosa às vezes e meu sarcasmo pode atingir níveis estratosféricos. Mas sei lá... Acho que o mundo anda bem carente de delicadezas assim.

6 comentários:

Ronisia disse...

Querida, que história linda... Acho que a moça só quis ser gentil com vc, pois o que vc fez não é comum hoje em dia, principalmente em SP.
Achei fofíssima a história, e enquanto lia, eu consegui te ver fazendo tudo o que vc descreveu...

Beijos e boa semana.

Ronisia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
lilla disse...

VOCÊ GANHOU UM DVD DO MISS DAVID!
HAHAHAHAHAHAHAHA

A Renata precisa saber disso!

Momento Descontrol disse...

Vc foi tremendamente fofa, mesmo. Eu, particularmente, tenho um pavor horrível de crianças. OUtro dia entrou uma dona no busão abarrotado com um bebezico todo cagado e duas meninas de 3 anos que ficavam correndo no meio de nossas pernas. Daí ela deu o bebezico pra uma adolescente segurar e a pobre ficou lá sendo fofa e tapando o nariz. Temi muito.

Klein disse...

Ai gata, ela viu que você tinha um passado ruivo de pecados mas que, no fundo, você era fofa e merecia ser salva. Encontra Jesus logo e para com essa sacanagem, ta?

Quinho disse...

Bom, se você encontrar Jesus por aí me avisa. Tava querendo mesmo trocar uma idéias com ele.