sábado, 8 de março de 2008

FCLG



Eu tenho um amigo dinamarquês muito, muito "picky". Com tudo, mas com música, principalmente. Música brasileira, então, é quase certeza dele torcer o nariz pra quase tudo. Samba, ele tem convulsões. Eu tenho "orgulho" de ter apresentado algumas coisas de que ele realmente gostou, uma delas é o Funk como le Gusta - que toca, entre muitas coisas, samba rock. E, sinceramente, não é à toa que ele gosta tanto dessa banda. A música é muito boa e tem muita coisa instrumental mais "globalizada" e excelente - pra agradar quem não gosta de samba rock. Eu gosto de tudo que eles fizeram até agora e sempre me diverti em todos os shows em que fui. Acreditem, foram muitos. Cheguei, inclusive, a ir num show deles numa cidade longe, muito longe. Tipo: longe. Horas de estrada (e eu e Miruzinha falando mais que o homem da cobra). Tudo porque eu apresentei FCLG a um certo mexicano, que também se apaixonou pela banda e cismou que TINHA que ir a um show deles antes de ir embora. E lá fomos nós estrada afora pra ver um show dos caras numa cidade que tinha em torno de 3 ruas, uma praça e uma igreja. E fazia frio, muito frio. Claro que isso não prova tanto meu amor pela banda, já que eu fui pra acompanhar o rapaz, mas se eu não gostasse MUITO do Funk talvez não tivesse ido pra esse show com tanta boa vontade.

Histórias e amores à parte, o fato é que eu realmente me divirto em todas as apresentações, danço até não poder mais, sei quase todas as músicas de cór (inclusive as instrumentais, o que é um pouco ridículo, porque eu fico cantarolando pra acompanhar os instrumentos) e sempre saio dos shows do FCLG feliz. Sorridente. Tem coisa melhor?

2 comentários:

Lilla disse...

vem cá...
esse cara de dread.
tipo, parabéns pra vc?

Chu disse...

Ah, Lilla, eu bem mereceria mesmo os parabéns caso fosse essa pessoa toda cheia de dreads. Que toca percussão. Maravilhosamente. Repito: percussão maravilhosamente. Morro, né. Mas então, acho que a pessoa a qual você se refere não me faz merecer tantos parabéns. Rola um processo de embagulhamento. HAHAHAAHAHAHA!

Cara, eu fiz um book desse cara de dread. Não que ele seja lindo, mas assim, a pessoa merece, sabe. Veja depois no flickr.