sexta-feira, 27 de maio de 2011

Sumida tá a minha estrovenga

Se tem uma coisa que eu não entendo nessa vida é a mania das pessoas em transferir responsabilidade pro outro. Exemplo simples: você tem lá aquela amiga que não é próxima. Você ficam muito tempo sem se falar. Aí se encontram por acaso. Ou ela te manda um recado em alguma rede social. A frase, invariavelmente, será: "Oi Ca, sua sumida!". BRODER. MALUCO. MANÉ. Sumida tá a minha estrovenga, já que ela nunca existiu. Qualquer relacionamento tem duas vias. Se eu sumi, se você não ouviu falar sobre mim por meses, é porque VOCÊ, cara colega, TAMBÉM sumiu. Senão saberia sobre mim e vice-versa. Não venha me jogar a batata quente da ausência pra cima de moi. Não vai rolar. Eu cresci super consciente de que relacionamentos são vias de mão dupla. E posso ter escondido essa consciência toda no recôndito mais profundo de minh'alma por anos, mas eu sempre soube disso.

Eu peguei tanta birra de quem me chama de sumida que o que acontece é o chamado efeito rebote. Fala que estou sumida que aí eu sumo mesmo. Pego implicância da pessoa por muito tempo. Hoje em dia temos muitos recursos pra entrar em contato com alguém. Se nenhuma das partes entrou em contato com a outra, é porque não deu. Não rolou. Passou o tempo, sei lá. Mas ninguém entrou em contato. Não é? Porque eu, ao menos, quando quero falar com um amigo ou amiga com quem não falo há tempos, faço algo simples: ligo. Mando email. Qualquer coisa.

Ninguém tem que ficar grudado no outro e falar com todo mundo sempre. Não tem como. Mas pelo menos tenha a sensatez de não cobrar do outro algo que você não fez.

8 comentários:

Livia disse...

Minha resposta-padrão quando ouço isso é: você também! Pra deixar bem claro isso aí que você disse, mão dupla.

E eu não gosto de quem cobra amizade, sabe? Acho o fim. Perco a vontade de falar com a pessoa ad eternum. Coisa mais chata!!

Patricia Scarpin disse...

Mas também tem o caso de quando a gente some porque não quer mais ver a pessoa - eu tive uma "amiga" que não quero ver nem pintada de ouro, por isso sumi, mudei de casa, de telefone, de tudo, e não falei nada pra ela.

Caru disse...

"- mas poxa, você nunca mais me ligoooouu..."
"- e você ligou, por mil picas voadoras?"


minha prima, por exemplo, vive se queixando de que eu "nunca mais" fui visitá-la lá naquele fim do mundo de cidade onde ela mora. amigona, vem cá: e quantas vezes vc veio à minha cidade?


me irrita tb, camila. muitíssimo.

Srta.T disse...

Também não curto essas cobranças e sempre acabo respondendo de um jeito meio irônico, meio malcriado, meio mussarela, meio calabresa. A distância é a mesma, certo?

Srta.T disse...

Também não curto essas cobranças e sempre acabo respondendo de um jeito meio irônico, meio malcriado, meio mussarela, meio calabresa. A distância é a mesma, certo?

Srta.T disse...

Também não curto essas cobranças e sempre acabo respondendo de um jeito meio irônico, meio malcriado, meio mussarela, meio calabresa. A distância é a mesma, certo?

Srta.T disse...

Também não curto essas cobranças e sempre acabo respondendo de um jeito meio irônico, meio malcriado, meio mussarela, meio calabresa. A distância é a mesma, certo?

Srta.T disse...

Gente, que delícia essa merda desse Blogger gago! Chuchuza, vc pode apagar esse comments repetidos? Eu não sei como!