quinta-feira, 3 de abril de 2008

Só por hoje...

Eu estou cansada. É tanta coisa que tenho pra lidar absolutamente sozinha, no meu trabalho e na minha vida, que em dias como hoje eu fico cansada mesmo. E me pego pensando que, apesar da minha independência que eu prezo tanto e da minha ridiculamente falsa auto-suficência, hoje eu queria uma coisa bem, mas bem simples: colo. E que me dissessem que vai dar tudo certo porque eu estou fazendo tudo direitinho. Eu estou aqui contando as horas pra chegar hoje à noite e eu receber o telefonema que me possibilitará receber esse colo, mas esse colo não saberá dessa minha outra necessidade de conforto verbal. Porque há limites. Então eu só tenho um colo pela metade. E eu quero conversar. E falar sobre os receios que tenho e que hoje se potencializaram por dois motivos: hormônios em surto e a grosseria de uma cerumana do maravilhoso mundo corporativo dos coxinhas. Eu não suporto ser desrespeitada. Ser desrespeitada por alguém como ela me dá mais raiva ainda. Num dia como hoje, pior ainda. Aí eu fiquei feito boba chorando sozinha, de raiva. E querendo colo. E que alguém me ajudasse a xingar a cerumana, porque xingar me alivia demais. Eu fui na manicure e pedi um chá de camomila pra acalmar. Disseram-me que eu estava com cara de preocupada. Eu respondi que estava mesmo. E estava brava. E falei "a PUTA da fulana foi escrotamente grossa comigo e eu não pude responder à altura". Eu fico com a garganta entalada demais quando não posso responder à altura. Também não é justo usar a palavra "puta" pra xingar alguém. Ofende as putas, que só estão trabalhando. Então eu estou aqui, procurando um adjetivo bem horrível pra xingar a cerumana mentalmente e aliviar parte da minha tensão. Hoje eu pensei que se eu não tivesse o meu trabalho, se de repente eu o perdesse (e isso seria o mesmo que enterrar sem direito a velório alguns sonhos que me fazem acordar de manhã disposta), eu iria embora do Brasil tipo só com o dinheiro da passagem e fuóda-se tudo. Não sei para onde iria e nem como eu sobreviveria, mas certamente eu não ficaria mais aqui. Eu tô "PMSing" tão forte que até nessas coisas eu pensei. Basicamente, eu estou muito cansada hoje. Amanhã eu vou reler isso aqui e vou até achar engraçado. Mas só por hoje eu quero chorar no blog. Ao menos alivia. Ah, sim. Vadia é um bom xingamento.

VADIA.

Espero que seu chefe fale contigo exatamente como você falou comigo. Além disso, paz, amor e saúde para ti e para os seus.

É, sinto-me melhor.

5 comentários:

Aline disse...

eu não posso te dar colo pq estou longe, mas posso ajudar na parte da conversa. sabe como é, cada um faz a sua parte, dá o que tem e etc. eu te amo, po. odeio ver vc assim. eu quero que essa vagabunda de beira de estrada morra empalada com um cacto gritando seu nome pedindo ajuda e vc esteja rindo do outro lado da rua.

já que eu vou pro inferno mesmo, me dou o direito de odiar e desejar coisas horríveis pelo meu prazer e pelo prazer dos meus.

grata.

Srta.T disse...

Amica, tamos aê. Sabe que de mazelas do mundo corporativo entendo bem. E de sabotagens também. De repente eu te dou uma idéia bem bôua (fora, claro, meu vasto vocabulário de termos chulos).

Beijas!

Rodrigo disse...

Leio sempre seu blog (conheci através do curtoegrosso). Nunca (talvez seja mentira, alguam vez sim) tive vontade de comentar. Sempre gostei do prazer em ler o que vc escreve, e não achava mto legal o fato de comentar à toa, principalmente sem vc me conhecer. Mas esse post foi mto bom. Talvez pq estou na mesma vibe q vc qdo escreveu. Mas na boa... pena que a vadia não ouviu seu xingamento. Aposto que você ia se sentir mto melhor.

Chu disse...

Amicas, obreegadam...

Rodrigo, volte sempre! :-)

Roberta disse...

Adoro palavrão, acho que é a melhor terapia alternativa solitária que existe, mas nesses casos chamo de GORDA.
E caso seja magra, FEIA acaba com qualquer mulher, pelo menos por 3 dias.
Boa Sorte ! =)