segunda-feira, 29 de outubro de 2007

TIM Festival

Eu comecei a gostar de rock um pouco tarde. Eu brinco dizendo que nunca é tarde para amar, mas o fato é que eu me apaixonei pelo rock só depois de ter passado anos e anos e anos e anos só ouvindo MPB e depois R&B. Tarde ou não, minha paixão é legítima. E eu me emociono em shows, me emociono quando ouço algumas músicas, me empolgo pra falar de bandas que gosto. Sei que sou muito crua em muita coisa e não sou conhecedora de muita coisa. Por isso mesmo meus comentários sobre os shows são tão, tão pessoais.

TIM Festival, em termos de organização, foi ruim. Nenhum evento bate o Nokia Trends do ano passado. No TIM faltou água, faltou policiamento (duas amigas foram roubadas), faltou respeito com todo mundo ali que teve que trabalhar hoje e agüentou firmemente todos os atrasos insanos do festival. Killers começando às 4 da manhã é muita, muita mancada. Intervalo de uma hora e meia entre os shows é imperdoável. Seria muito bom se eles parassem de fazer a noite principal do TIM aos domingos e fizessem aos sábados.

Mas valeu cada perrengue, cada centavo, cada minuto. Eu fui feliz ontem. Muito, muito, muito. Eu sempre digo que são poucos os momentos em que somos conscientemente felizes. Esse ano tive alguns momentos assim, de felicidade consciente. Em alguns eu estava tão feliz que beirava a euforia. O show do Killers foi um desses momentos, com toda a certeza. E Lilla, obrigada por estar lá comigo. Sem você não teria tido TANTA graça. Quando o Muse vier, estaremos juntas de novo.

Björk
Björk, me desculpe. Eu te chamei de Piörk, eu imitei você cantando, eu cantei "ei, Björk, volta pro iglu" com os amigos do meu amigo. E eu também chorei de rir com o moço que cantou "Florentina" versão Björk. Tirei fotos fingindo que estava dormindo, tirei fotos com cara de tédio e bocejando. Tudo na hora do seu show. Acho que não sou sensível o suficiente pra gostar de suas músicas. Talvez meu amigo tenha razão e meu ouvido musical não seja tão apurado. Adorei você falando "obrigato", adorei seu vestido de mãe de santo Parada Gay, com todo aquele arco-íris-tropicalista-meu-nome-é-gal. Sério, adorei. E aquelas luzes verdes, adoro verde! O fato é que eu não consigo "pegar amor" pelo seu trabalho. Não que pra você faça diferença, seus fãs são realmente ardorosos e amaram seu show. Eu não amei. Diverti-me, mas ainda preciso de tempo pra apreciar de fato. Ou não.


Juliette and the Licks

Juliette, se você quisesse poderia comer BOA PARTE da população masculina do local. Da feminina também. Espero que você tenha ouvido os gritos de "gostosa" ou, ainda, de "vesga gostosa". Deixa eu te explicar: gostosa means hot and vesga means cross-eyed. Você ahazou corações, honey. Se contorceu no palco feito o Iggy Pop (O Marcelo Camelo escreveu isso e um amigo francês que provavelmente nem faz idéia de quem seja o Sr. Camelo disseram isso e eu aprovei), conversou com a platéia, enfim: você é sapequinha, marota e faz um show muito bacana. Não sou apaixonada/louca pelas suas músicas e wouldn't go gay for you, mas se você quiser, pode me adicionar no orkut.

Arctic Monkeys
Rapazes, pena que entraram tão atrasados. Pena que tiveram só uma hora de show. Porque vocês mandaram bem demais e eu senti a maior falta de um bis. Obrigada por "Dancing shoes", "Fake tales of San Francisco" e "I bet that you look good on the dancefloor".


The FUCKINGLY AMAZING Killers

Gatos, eu esperaria por vocês o tempo que fosse. Adoro Arctic Monkeys e o show deles foi sensacional, mas vocês eram o motivo d'eu estar lá. Vocês eram o motivo de minha ansiedade. E vocês fizeram valer cada centavo gasto e cada minuto esperado. Não consigo descrever o que senti quando vocês entraram no palco e começaram a tocar "Sam's Town". Não consigo descrever o que senti quando ouvi todas as outras músicas. Sei que fiquei emocionada, que fiquei engasgada, que algumas músicas me trouxeram muitas, muitas lembranças. Eu fiquei em êxtase em vários momentos e ficava quieta ouvindo quando o Brandon falava. Também pulei feito cabrita e berrei em todas as músicas. Todas. Só não digo que posso morrer agora porque seria um exagero, uma hipérbole desnecessária. Ainda tenho um livro pra ecsrever, uma árvore pra plantar e um filho para parir. Ainda tenho muito pela frente. Mas caso role um cataclisma ou uma hecatombe hoje, posso dizer que vou-me desse mundo feliz. E Brandon, pega eu. Falaram que seu bigodinho é meigay, mas não tem problema: I'd go gay for you big time. Pena que não teve bis. E obrigada por não cantarem "Why do I keep counting" - meu coraçãozinho de que anda gelado com certeza derreteria. E eu verteria lágrimas até não poder mais.

17 comentários:

simone disse...

aimeudeus, o tim aqui é quarta!
já tô pronta pra não existir na quinta! hahahahaha

Chu disse...

Simone, se rolarem atrasos tão longos quanto os que rolaram aqui, prepare-se mesmo para não existir na quinta, porque foram os atrasos que tornaram tudo difícil e deixaram todo mundo acabadão. De resto, pule e berre por mim no Killers? Sei que já fiz isso, mas hoje eu acordei com a sensação de que preciso de outro show deles. E depois outro. E depois outro. :-)

Suzana disse...

AMO resenhas pessoais. São as que mais me fazem ficar ansiosa. Zóinhos batendo loucamente. u_u

Suzana disse...

Ei Simone, quer ser minha amiga? Eu tbm vou no Tim de quarta-feira! hihihi.

lilla disse...

acho que não tenho muito a acrescentar. eu amei TANTO. sério, caguei que me roubaram (só na hora eu fiquei puta, mas pq roubaram meus REAL da cerveja, man!), e iiiiiiiii'd go gay for juliette, e refrão de bones, e fechar com all these things, e "vendo corcel 2" no telão, e tentando acalmar a talita que tb foi roubada, e tiozinho da pinga no plastiquinho, e seus amigos ultra fofos, e minha voz que não saía mais pq a garganta tava seca, e eu muito que pagando a lingua no arctic, e a chatork, e meu, quero de novoooooooooo!
tantas coisas, quero escrever tudo e não esquecer nada!

*coraçãozinho*
ce sabe, né. todo um amor.

Ariett disse...

eu detesto bjork, mais ainda depois que assisti dançando no escuro. boooooriiiiing.

mas gosto de killers. não tanto quanto você, mas gosto do que já ouvi deles.

Patricia disse...

Assumo que não conheço muito do repertório, mas "Read my mind" está sendo tocada no repeat há mais ou menos 5 dias e não me vejo parando com isso tão já. :)
Quanto ao bigodinho, achei que ficou uma graça - e quando vi o clip de "Read my mind" me veio imediatamente à cabeça o Mark Ruffalo no "Em carne viva".
Detective Malloy, pega eu!!!!!

Klein disse...

tiöp piörk refliat ok////

Dê - Andressa disse...

seu blog é muito show e me lembra muito as meninas do 02 neurônio, que adouro. sou amiga da Daia e vi o link para o seu do blog dela.
beijos.

fl disse...

Minha relação com blogs é parecida com a sua com o roquenrou - entrei velho (literalmente!) no assunto, mas minha paixão tb é legítma. Mas acesso poucos (preguiça de navegar muito), mas todos são muuuuuuuuuuito bons - e entre eles esse seu delicioso "I Misbehave" é dos melhores...parabéns!! (sobre a Juliette Lewis...máximo é pouco!!)

Daia disse...

Tudo bem não gostar da Björk, mas tirar foto dormindo no show dela é uma ofensa. Não fale mais comigo.

simone disse...

tô pronta pra não fazer nada quinta antes do almoço já!
oi su, deixei um oi pra você no orkut! vamos aprontar lá no tim, que tal? :D

chu, pode deixar que eu faço a tal da muvuca com o the killers! pelo que teve aí, aqui vai estar booooooom :D

Amber F. disse...

Piörk foi o máximo!! E as fotenhas ficaram mui buenas.

Paulo Tiago disse...

Perfeita a comparação da Juliette com o Iggy Pop, na hora nem tinha me tocado! hahahaha E, de fato, ela precisa comer muito arroz com feijão pra chegar longe, a menos que depende de metaleiro zé-mané como o do meu lado, que não sabia uma letra mas gritou "Gostosa!" o show inteiro. Afe! Já a Björk... não se sinta mal. Esse papo de "ouvido" é balela, porque ela é chata e PONTO. Só isso. Música bonitinha, belo cenário, mas e daí? A gente não é obrigado a gostar de tudo. Tinha curiosidade de ver o show dela, e vi que é ótimo - pra bater papo. O mesmo não se diz do Arctic Monkeys (vi pela 2a vez, por sinal) e do Killers, que... meu Deus! Aos primeiros acordes de "When You Were Young" e depois "Smile Like You Mean It", minha energia voltou, eu gritei, chamei o Flowers de lindo e ainda quis dar porrada num emo, mas não me deixaram. Tudo de bom! Isso é rock n' roll! =D (e eu comecei a ouvir meio "tarde", aos 14-15 anos... obrigado, Pearl Jam!)

Chu disse...

Gente, eu li todos os comentários, adorei todos e fico feliz que a Su tenha encontrado companhia pro Tim. Aliás, Suzana e Simone, como foi?

Paulo, quando eu digo tarde eu quero dizer 25 anos. 14, 15 não é tarde. É começar no tempo certo a gostar de coisas bacanas. :-)

Carlos Wilker disse...

eu vou resumir tudo: ai que inveja.

Cicero disse...

Só posso falar uma coisa tmb...

O show do the killers foi muito foda.....até agora só consigo escutar o CD "Sam's Town"...