domingo, 9 de setembro de 2007

Assassinando Aretha - ou - por quê não posso ficar em casa por tanto tempo

Eu amo Aretha Franklin, de verdade. As músicas dela me emocionam, me fazem querer dançar, me fazem feliz. O engraçado é que eu só comecei a ir atrás mesmo de músicas dela depois de ver uma caloura do Raul Gil (podem rir), há uns 10 anos talvez, interpretando "You make me feel (like a natural woman)". Pra vocês verem que Raul Gil pode trazer algo de bom às nossas vidas. Foi amor à primeira ouvida. A letra é linda, linda, linda e se eu tivesse que escolher uma única música para levar pra uma ilha deserta, certamente seria essa. Desde que a ouvi eu digo que é a música que eu gostaria que tocasse no meu casamento, ainda que eu ache que não vá me casar. Porque, gente, ele a faz sentir como uma mulher natural, uma mulher sem máscaras. Com ele, ela se sente ela mesma, ela se sente viva. E ele trouxe alegria de volta à vida dela. Pense: quantas pessoas que passaram pela sua vida tiveram esse efeito? Na minha, digo, sem nem pensar: só um cara.

Mas esse não é o foco. O foco é: eu adoro Aretha. Acho até que a Amy Winehouse, que é simplesmente maravilhosa, tem alguma coisa de Aretha Franklin, inclusive nos arranjos de algumas músicas. Na primeira vez que ouvi Amy pensei: "nossa, é muito Lady Soul, isso". "Lady soul" é um álbum da Aretha de 1968, que tem pérolas como "Ain't no way", "You make me feel (like a natural woman)", e a sensacional "Chain of Fools". Mas assim, Amy tem cacife. Amy tem atitude, tem voz, tem talento. Vindo dela é uma homenagem. Dizem que ela pode ser comparada com Ella Fitzgerald no estilo e coisa e tal, mas eu, com meu parco conhecimento de música, acho que ela está bem mais pra Aretha mesmo. Então, se Amy um dia resolver cantar alguma música de minha musa soul, ok - e aposto que ficará lindo de morrer. Mas hoje, eu no meu quarto, cansada de ficar em casa por conta dessa gripe insuportável, começo a ouvir uma música conhecida. Era "Chain of fools", cantada por alguma gralha. Entro em pânico: "quem está assassinando essa música, pelamor de Nossa Senhora da Motown?"

Vou até a sala, mamãe sintonizada no Faustão. E vejo a assassina, com cabelo chanel lisérrimo e boca arreganhada enquanto gritava "every chain has got a weak link" num Inglês que eu chamaria de sofrível. Uónessa Camargo (saudosa Katy!), em osso, vestidinho da Chamber's e pseudo-atitude de cantora. Uma palavra: desgosto.

É por isso que eu não paro em casa nos finais-de-semana: não temos TV a cabo e minha mãe nem se importa de ver Faustão. Agora eu vou ali, na cafeteria mais próxima, afogar minhas mágoas musicais num mochaccino e rezar para que Wanessa não continue propagando o mal. Aliás, Wanessa, gatha, continue no seu estilo de músicas de amor brega e coreografias ainda piores. Pelo menos era divertido.


Update: nem mochaccino eu consegui tomar. Porque quando eram umas 5, 6 da tarde, a moleza tomou conta de meu corpo e eu não conseguia nem ler, nem pensar, nem andar. Meus olhos ardiam, a tosse de cachorro em fase terminal voltou e eu dormi. Por umas duas horas. E agora quero dormir de novo. G-zuz, manda essa gripe embora.

6 comentários:

Monica disse...

Olá, Chu. Depois de um breve período de reclusão, voltei... Primeiro, quero lhe dizer que seu blog continua ótimo!!!
E segundo, para fazer coro à sua indignação: ouvir um *ser* qualquer que abra a boca, lança música na rádio (o que, 'cá p'ra nós, já não é referência a muito tempo...) e se considera CANTOR(A) assassinando deusas do calibre de Aretha Franklin é de matar o domingo de qualquer um.
Mas o pior é imaginar uma massa de pessoas assistindo Tv neste momento, achando sua performance muito boa e que sequer ouviram falar no nome de Franklin.
O que custa fazer um programa de qualidade? Filmes que prestem, documentários... É pedir muito???
O povão não merece isso... Ou merece???

Radagast disse...

Foi precisamente através do teu amigo (que também é meu) que cheguei ao teu blogue. Gostei do que li pelo que o linkei. Os meus colegas são inocentes :-)

Milena disse...

Oi!!

Olha, confesso que sempre dou uma espiada aqui no seu blog pois seus textos sempre me surpreendem e me fazem rir!!!

Hoje, comecei a ler e até você mencionar 'Chain of Fools' eu ainda estava inocente.

De repente, quando você diz: "Vou até a sala, mamãe sintonizada no Faustão". Pronto! Lembrei, que desgosto!

Te digo que estávam na minha sala ninguém mais do que eu e meu namorado. Após ouvir tentativas fracassadas da 'Wanessinha' com as musiquinhas melosas dela, ela ainda apela de Aretha. O link com o início dessa frase (sobre estarmos só eu e meu namorado na sala) se dá exatamente porque vou confessar uma coisa: ainda assim fiquei CONSTRANGIDA com tanta falta de discernimento.

Além de ter mau gosto, ela é DESAFINADÍSSIMA!!!

Beijo!
Mi

bobmacjack disse...

Rá! Tes achei (Lilla tomém, só falta Rê!)

Beijo e saudade.

Lorde David disse...

Faustão, putz. Felizmente a minha mãe é do tipo que vê House e Crossing Jordan quando a visito nas tardes de domingo. Essa é a minha mãe. :)

Srta.T disse...

Oi amica, sei bem o que você sentiu. Estava eu um dia fazendo compras com mamã no Carrefour quando começa a tocar "Fascinação", cantada pela... Sandy. Mamã, uma senhora fina e educada do interior paulista, mandou o carrinho na prateleira de iogurtes berrando "mas que merda é essa?". Eu tive medo.