terça-feira, 31 de julho de 2007

Je veux seulement t'oublier

Eu tenho uma queda por francês. Francês, a língua, não o nativo da França. Pois bem, essa queda (livre) me acompanha desde pequena, às vezes mais fraca, às vezes mais forte. Depois de adulta, admito, sem problema algum, que a intensidade da queda varia de acordo com a nacionalidade do bofe do momento. Por exemplo, quando eu tive um breve "crush" num francês lindo e insuportavelmente arrogante, eu queria falar francês fluentemente para ontem e imaginava ma vie en rose com um autêntico français me falando mon amour, voulez vous ma baguette?. O meu francês não melhorou muito, apesar dos CDs que o Monsieur Pedantê me emprestou, mas uma hora eu alcançarei a tão sonhada fluência. Aí veio uma brevíssima fase dinamarquesa, e o francês continuou lá, mas menos intenso. Desnecessário dizer que eu nem cogitei aprender dinamarquês. Eu não consigo repetir palavras onde a minha garganta emita mais sons que a minha boca. O que sobrou do dinamarquês foi uma amizade bem legal (na verdade sempre foi só amizade), e ele me dizendo que entende minha loucura pela França: eu vou amar Paris. C'est vrai? Ãnfãn. Houve, então, a fase de aprender espanhol, sobre a qual não vou discorrer, principalmente porque eu acabei por realmente me interessar em aprender espanhol, independente do bofe. Mas esse último também sempre soube de minha fascinação pelo francês e também compreendia, apesar de sempre dizer que franceses são antipáticos e que eu devia mesmo é aprender espanhol. Em passos de formiga eu tenho aprendido.

Tanta, tanta bobagem. Eu de fato estudei um tempo de francês, aos 12 anos e depois aos 20. Já esqueci muita, muita coisa. Percebi que meu francês "talvez" estivesse se perdendo quando comecei a entender muito melhor espanhol, língua que nunca estudei. Acho o francês uma língua charmosa, sonora. Gosto das chansons françaises apesar de não entender muito do assunto. E quando eu for para a França, e pisar em solo francês, provavelmente terei um dos momentos mais felizes da minha vida. Pois bem, hoje eu estava (estou) de bobeira na internet e encontrei uma música ótima em francês, de uma banda chamada Pink Martini. Não são franceses, mas aparentemente a cantora tem o dom de falar bem, ao menos nas músicas, várias línguas. E além da música ser um charme, da voz da cantora ser uma delícia, tem um trecho que traduz exatamente o que sinto agora:

Je ne veux pas travailler
Je ne veux pas déjeuner
Je veux seulement t'oublier
Et puis je fume...

(Não quero trabalhar
Não quero almoçar
Eu só quero te esquecer
E então eu fumo)

Esse texto enorme só pra concluir isso. De maneira simples, essa parte da música fala EXATAMENTE o que sinto agora. Pelo menos minha tristeza está descrita em francês - assim consigo ver alguma beleza em não querer nada, só esquecer.

(para quem quiser ouvir a música: aqui. Vale a pena, é uma graça!)
PS: a tradução estava errada, agora sim está ok!

8 comentários:

Lorde David disse...

Eu tava numa fase italiana até há pouco. Mas já estou desencanando dela. E a primeira vez que pisei em Paris, achei que o pouco de francês que sabia ia servir para alguma coisa, até descobrir que muita gente de lá, recepcionistas de hotéis, garçons, taxistas, balconistas, etc., eram portugueses, mas que esnobavam a língua natal, por puro esnobismo. Além disso, os franceses adoram Paulo Coelho, um motivo a mais para gostarem de brasileirinhos, acho. Um beijo.

Lorde David disse...

E gostei bastante de la chanson. C'est magnifique! Merci.

Amber F. disse...

Na escola em que eu estava tinha aula de francês como matéria obrigatória. Confesso que lá pelos 9, 10 anos achava aquilo muito insuportável. Mas hoje até que um embromation em francês cairia bem, sabe? Também acho a língua charmosa (!!)

hunnybunny disse...

ah, como é bom carimbar o passaporte... ;P

Suzana disse...

Primeiro chorei, depois roubei o verso. Me caiu como uma luva. Grata.

Xianey disse...

A banda é de Portland. Eu catei o site. ahahahahha

Achei muito maneiro, vo catar coisas pra baixar.

Ah, eu gosto de Superbus, é uma banda francesa bem bacana, tiop pop rock.

Beijas

Juliana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Joo disse...

Eu tô na fase russo. Mas sem o bofe.

E realmente, o Big Dipper é uma mentira!

Bjs!